Contornos - Educação e Pesquisa

25 julho 2021

Utilizando o Notion nas atividades docentes

O Notion é um aplicativo/plataforma que ganhou notoriedade nos últimos tempos devido a sua multi funcionalidade. Pode ser desde um bloco de notas até um gerenciador de projetos robustos. Nas minhas férias de 2021 (férias em isolamento pandêmico), decidi ir migrando alguns painéis de outros aplicativos para experimentar e, desde então, tenho desde listas de filmes e livros até planejamentos de aula e páginas para compartilhamento de material com os estudantes.


Pelo fato de apresentar muitas possibilidades, o uso do Notion pode parecer um pouco confuso no começo. Por isso, é interessante começar pelos modelos já existentes - “templates”. A partir desses modelos você vai entendendo o que é possível fazer com a ferramenta e vai adaptando para a sua realidade.


Como tem funcionado para minha atividade docente


Uma questão importante que fui pensando ao longo dessa montagem foi que isso não poderia ser mais uma tarefa na minha rotina e sim uma forma de facilitar o gerenciamento de tantas informações. Neste ano tenho 15 turmas em 3 escolas e em algumas tenho dois componentes curriculares diferentes, o que vai multiplicando os registros de forma insana. 


Neste primeiro semestre de 2021, o que mais tenho utilizado são os painéis:


  1. Plano anual (previsão geral para 2021)

  2. Obras de referência para a professora (base dos planejamentos)

  3. Banco de questões

  4. Sequência de aulas por ano/disciplina

  5. Páginas de referência para os estudantes


Os três últimos painéis são os mais importantes para mim. 


Banco de questões


O banco de questões é um pouco trabalhoso para ir formando, mas depois ajuda muito. Estou sempre precisando buscá-las e já tentei compilar de várias formas, esta finalmente atende as minhas necessidades.



Essa é a tabela com os temas, conceitos, autores e a origem da questão (mais uma coluna para marcar se a questão já foi utilizada neste ano). Ao clicar na página, abre a questão.



 

Sequência de aulas por ano/disciplina

 


Ao clicar em cada aula, é possível ter uma página com as informações e roteiro. Nessa imagem já aparece o semestre pronto, mas, quando estava planejando, ia inserindo ideias na página de cada aula.



Ao definir os temas e a sequência, sempre que me ocorria uma ideia, ia inserindo na página correspondente, o que auxiliava na hora de montar o roteiro mais formal que vai para os estudantes depois.


Páginas de referência para os estudantes


As páginas de referência para os estudantes foram uma necessidade que surgiu ao longo do ano letivo, uma vez que a plataforma da rede por vezes não funcionava, eles tinham problemas com login, etc. No Notion, você pode compartilhar um painel em forma de site, no qual as pessoas podem acessar e somente ver. A URL não é amigável, mas um encurtador resolve o caso. Compartilhei o link com os estudantes por bluetooth ou escrevendo no quadro mesmo e lá estavam todas as informações que eles poderiam precisar em casa (já que a maior parte das turmas neste ano está no modelo “híbrido”).



Na tabela com os roteiros de estudos há uma página por quinzena com o conteúdo e questões para fazer no “tempo casa”. Nessa página também tem as indicações sobre como funciona o ensino híbrido, formulário de contato com a professora e outros links importantes. Nem todos os estudantes têm acesso à internet, nesse caso, envio para cada um os roteiros por bluetooth (felizmente são raros os casos de adolescentes sem celular, a questão tem sido o acesso à internet).


Enfim, são tantas possibilidades que pode ficar confuso, mas também é divertido ir explorando e com o tempo os registros ficam muito interessantes. Esses foram exemplos bem particulares da minha rotina, fique à vontade para compartilhar a sua forma de organização também, assim podemos conhecer mais possibilidades. :)

 

Outras experiências

 

 Usos do Notion por outros professores:

- Aulas e materiais prof. João Gilberto Saraiva
- Introdução a Engenharia de Computação - prof. José Edil G. de Medeiros

 (em construção)

  

13 janeiro 2021

Como elaborar referências de livros eletrônicos (e-books)

Leitor de e-book

Muitas pessoas têm aderido ao uso de leitores de livros eletrônicos (e-book) como Kindle, Kobo e outros. Esses suportes para leitura são visualmente mais adequados do que o celular ou o tablet, entre vários outros benefícios para leitores assíduos.

No entanto, o sistema de paginação de um ebook pode ser muito diferente de um livro impresso ou até mesmo dos arquivos de texto mais comuns. Como o texto é flexível, pode ser aumentado, diminuído, fontes e espaçamentos diferentes podem ser configurados, assim, não há páginas fixas. Em geral, os e-books utilizam a unidade posição para marcar o local do livro. 

De acordo com Ferreira (2013), cada posição representa um grupo de 128 bytes de dados, o equivalente a aproximadamente 128 letras. Em algumas edições, há uma opção de verificar a correspondência com a página da edição impressa, porém, nem todos os livros eletrônicos têm uma versão impressa e nenhum deles deveria ser considerado o mais correto, uma vez que são suportes diferentes para o mesmo conteúdo.

A ABNT, na NBR 6023 (2018), ainda que tenha sido atualizada recentemente, ainda não cita os e-books de forma clara. Os trechos que mencionam a indicação de páginas são genéricos sobre o que fazer em casos não previstos, como e-books sem paginação convencional. No entanto, a partir das indicações, podemos construir um formato.

8.7.3 Documento em meio eletrônico
Recomenda-se indicar o tipo de suporte ou meio eletrônico em que o documento está disponível. Para redes sociais, especificar o nome da rede e o perfil ou página acessados, separados por dois pontos. Para os demais documentos, seguir o descrito em 8.7.1. (ABNT, 2018, p. 54)

No caso de e-books, não haverá uma referência com endereço eletrônico, uma vez que os livros são arquivos localizados na memória do suporte. A referência final é de um livro ou artigo como as publicações impressas, com a indicação de que se trata de uma edição em e-book.

➡ Exemplo: Thomas S. Kuhn, The Structure of Scientific Revolutions, 4ª ed. Chicago e London: The University of Chicago Press, 2012, edição Kindle, cap. IX.

No item sobre as unidades físicas, há mais informações que ajudam a pensar na formação da referência para o formato e-book

8.7.1 Unidades físicas
A quantidade total das unidades físicas referenciadas deve ser registrada na forma indicada no documento, seguida da sua designação específica, abreviada quando possível, e separada por vírgula quando houver mais de uma sequência. Se necessário informar detalhe do documento, indicá-lo entre parênteses. (ABNT, 2018, p. 52)

Assim, se a forma de apresentação do e-book for em "posição", indicar essa unidade na referência (no caso de citação direta, que é quando devemos expor o local específico da citação).

Exemplo:
Resolvi tomar uma media e comprar um pão. Que efeito surpreendente faz a comida no nosso organismo! Eu que antes de comer via o céu, as árvores, aves tudo amarelo, depois que comi, tudo normalizou-se aos meus olhos. (JESUS, 2014, posição 644)

Nas referências finais/completas:

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo – diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2014. Livro eletrônico. 3157 posições.


⚠ Se você estiver escrevendo um texto acadêmico que vai ser apreciado por uma banca, converse com sua orientação e decida se vocês irão utilizar as edições em livro eletrônico nas citações ou se seria o caso de verificar a paginação em um livro físico. Isso pois os e-books podem não ser familiares a todas as pessoas envolvidas, embora seja um suporte tão legítimo para o conteúdo quanto um livro físico.

Compartilhe as suas dúvidas e experiências sobre o tema nos comentários. ;)


Referências:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 6023: Informação e documentação: Referências - Elaboração. Rio de Janeiro, 2018. 74 p.

FERREIRA, Cris. Entenda como funciona a contagem de páginas nos ebooks. Vida sem papel, 2013. Disponível em: https://www.vidasempapel.com.br/paginas-nos-ebooks/. Acesso em: 10/01/2021.
 

10 dezembro 2020

As tecnologias digitais e o ensino em tempos de pandemia

Por Prof. Djeison Machado

 A pandemia causada pelo novo coronavírus causou um grande impacto na educação em 2020. Apesar de previsível, a chegada do vírus ao Brasil ocorreu de forma rápida demais para as redes de ensino e escolas da educação básica se prepararem. Diversos gestores optaram por manter as aulas através do que ficou conhecido como ERE (ensino remoto emergencial), apoiado na maioria dos casos pelo uso das TDICs (tecnologias digitais da informação e comunicação), explorando principalmente as plataformas digitais de ensino da Google e da Microsoft.

    Professores e professoras ganharam novos desafios: reconstruir o planejamento considerando as novas condições impostas pelo ERE, aprender a utilizar as plataformas digitais adotadas pelas redes e escolas, produzir materiais didáticos digitais (e em alguns estados as versões impressas destes), pensar em estratégias para manter os vínculos com os estudantes, criar uma rotina de trabalho em home office e manter em condições saudáveis suas próprias saúdes físicas e mentais. Se isso tudo já não fosse o bastante, o medo do uso das TDICs foi arrancado do armário onde vários professores o mantinham trancado e escondido. Tornou-se comum ouvirmos em diversos espaços que “a pandemia acelerou uma mudança que estava prevista para ocorrer ao longo dos próximos anos na educação, ela [a pandemia] trouxe as TDICs para os planejamentos de todos os docentes”.  É necessário que façamos algumas reflexões acerca disso tudo, para que possamos minimamente compreender o que aconteceu neste ano e quais caminhos devemos perseguir no período pós-pandemia.

Fonte: https://topagitos.com.br/ensino-na-pandemia-com-aulas-remotas-aumenta-o-estresse-e-ansiedade-dos-profissionais-da-educacao/

    Discussões, pesquisas e práticas com as TDICs na educação básica não são novidades. Há diversas redes, escolas, professores e professoras que há muito tempo já exploram os recursos digitais em suas aulas. A novidade deste ano foi o uso das tecnologias digitais em larga escala por quase todos os docentes e como política pública para promover alguma forma de ensino durante a pandemia. Vimos nos noticiários e nos relatos de nossos amigos e familiares que o ERE expôs a desigualdade social entre as escolas, mas pouco ouvimos sobre as desigualdades das habilidades dos professores e das professoras para incorporarem as TDICs em seus planejamentos. Parte do magistério nunca foi exposta a discussões teóricas e metodológicas sobre o uso das TDICs, nem tampouco puderam experimentá-las em suas aulas devido à precariedade (ou inexistência) destes recursos nas escolas. Desta forma, muitos professores e professoras tornaram-se suscetíveis a discursos sobre o uso das TDICs que são de senso comum, de experiências de seus colegas e/ou de instituições que possuem interesses escusos aos da promoção de uma educação crítica e de qualidade.

    Não raramente, vemos as TDICs serem apresentadas como uma forma para chamar a atenção dos estudantes e motivá-los a aprender. Assume-se que os estudantes por serem nativos digitais irão se interessar mais pelas aulas se elas foram digitalizadas e explorarem recursos tecnológicos como óculos de realidade virtual, jogos, vídeos e redes sociais. No entanto, quando pensamos em mudar o formato de uma aula para agradar os estudantes, corremos o risco de tornar nossas aulas um produto desenhado para satisfazer supostos desejos que acreditamos existirem em nossas salas de aulas. Não podemos correr o risco de repetirmos a lógica do consumismo, em que o cliente (estudante) só consome aquilo (aula) quando está no formato (digital) que lhe satisfaz. A motivação, como a semântica da palavra explica, é algo interno de cada um. Em suas memórias você deve lembrar de vários professores que prenderam a sua atenção apenas com o uso da voz e tantos outros que montaram “um circo” diante de você e não lhe causaram nenhum interesse. Será mesmo que o desinteresse dos nossos estudantes se dá pelo formato das nossas aulas ou talvez se dê por questões institucionais, sociais e pessoais? Seriam as TDICs capazes de resolverem os problemas de desmotivação e desinteresse dos estudantes?

    Também é comum encontrarmos associações entre as TDICs e a velocidade de conclusão das tarefas. Diz-se que uma aula com a utilização das TDICs permite que os estudantes desenvolvam as atividades de forma mais rápida por não “perderem tempo” como ocorreria ao utilizarem outros recursos, como o lápis e o papel. Aligeirar as tarefas, na ânsia de concluí-las mais rapidamente, para talvez concluir mais tarefas no mesmo espaço de tempo, não necessariamente permite aos estudantes aprenderem mais e nem melhor. A dinâmica de aumento da produção através da otimização do tempo é algo que faz sentido no mundo fabril e empresarial, onde tempo é dinheiro. Na educação, sabemos que a aprendizagem não se dá na conclusão das tarefas, mas sim no desenvolvimento destas. Um ambiente de aprendizagem que promove tarefas aos estudantes pensando no cronômetro não parece ser adequado para favorecer algumas condições necessárias para a aprendizagem como  manter o cérebro calmo e atento. Acelerar o percurso de aprendizagem pode acarretar em perdas pois, afinal, aprender leva tempo.

    Há ainda aqueles que defendem o uso das TDICs para que os estudantes dominem as novas tecnologias. O mundo moderno já nos exige a utilização destes recursos em vários momentos e exigirá cada vez mais, por isso caberia à escola preparar minimamente os estudantes para tal realidade através do uso dos recursos disponíveis. No entanto, dado o avanço tecnológico acelerado em que vivemos, é um pouco ingênuo pensarmos que os softwares e equipamentos que podemos utilizar hoje serão os mesmos daqui 10 ou 20 anos, basta pensar em como era a nossa relação com a Internet em 2010 e como ela é hoje, mudou bastante não é mesmo? Talvez fizesse mais sentido ensinarmos alguns fundamentos teóricos e práticos sobre as tecnologias (como programação, por exemplo), talvez assim pudéssemos de fato preparar os jovens para o dinâmico e imprevisível futuro tecnológico que os aguarda, mas não é isso que vemos na maioria das aulas com as tecnologias digitais.

        As TDICs quando propagandeadas como “bala de prata” para os problemas da educação, geralmente costumam apresentar novos problemas ao invés de soluções. Em 2020, por exemplo, vimos a falta de conexão com a Internet, a falta de equipamentos adequados e a pouca alfabetização digital dos estudantes como principais desafios, por vezes limitadores. Também vimos que muitos professores e professoras, por melhor boa intenção que tiveram e esforço que dispuseram, fizeram um uso pobre das TDICs, pois não basta apenas fazer uma vídeo aula transmitida pelo YouTube, isso continua sendo uma aula expositiva; não é suficiente enviar formulários, isso continua sendo um teste de assinalar; solicitar a elaboração de um texto utilizando um software, continua sendo a produção de um texto; pedir um vídeo aos estudantes apresentando um tema, continua sendo uma apresentação de trabalho que antes era feita na sala de aula mas que agora se deu na frente da câmera.

    O que vimos durante 2020 com o ERE foi, em muitos casos, a digitalização das mesmas práticas que já eram realizadas nas aulas presenciais. É claro que não há problemas em transpor as práticas antes realizadas no ambiente com lápis e papel para o ambiente digital. O ambiente digital é bonito, é agradável, usar softwares e a Internet permite que a alfabetização digital aconteça, além do fato de que o meio ambiente agradece a redução do uso de papel. Também não podemos negar a importância das aulas expositivas que foram transmitidas pela Internet neste ano, elas foram fundamentais para que estudantes e seus professores mantivessem contato.  Muito menos devemos deixar de dar o reconhecido crédito a todos os professores e todas as professoras que fizeram limonadas com os limões que lhes foram dados. Mas é preciso ressaltar que a falta de discussões e reflexões teóricas e metodológicas sobre o uso das TDICs na educação nos fez perder uma janela de oportunidades única que a pandemia nos trouxe. Foi um momento em que os professores e as professoras precisaram utilizar os recursos digitais, mas ninguém os mostrou como o ensino e a aprendizagem poderiam ser diferentes com estes recursos, então, eles fizeram o que sabiam fazer na versões digitais e disponibilizaram aos estudantes através das plataformas.

Não podemos nos iludir achando que 2020 foi um ano de grandes mudanças na educação e que 2021 será diferente de 2019 porque agora os professores sabem compartilhar uma planilha, fazer um vídeo no YouTube e organizar o Google Sala de Aula. A pandemia e o ERE deixaram evidentes que as metodologias de ensino classificadas como tradicionais estão presentes até hoje, não por acaso, nem comodismo, porque funcionam bem para o modelo de educação de massas e que a incorporação das TDICs e ambientes virtuais de aprendizagens por si só não são capazes de promover mudanças significativas para esta estrutura educacional que temos. Espero que as experiências vividas por professores e estudantes neste ano nos auxiliem a pensar como as tecnologias digitais podem ser utilizadas para promover aprendizagens não possíveis com os atuais recursos comumente utilizados. Convido-lhe a refletir sobre qual foi o uso que você fez das TDICs durante o ERE em 2020, sobre o que você aprendeu e poderia compartilhar com seus pares e sobre o que você percebe que ainda precisa aprender. Ainda temos um longo caminho a percorrer, muitas leituras, diversas reflexões e principalmente trocas de experiências sobre o uso das TDICs para que estas nos sirvam na construção de um modelo de educação mais crítico e de qualidade. Por fim, deixo como sugestão uma antiga charge, velha conhecida de muitos cursos de licenciatura e de formação continuada, que nos convida a refletir sobre o uso das novas tecnologias nas nossas aulas.


(48) Metodologia ou tecnologia - YouTube


Djeison Machado
 
Professor efetivo na Rede Estadual de Educação de Santa Catarina. Licenciado em Matemática (UFSC), possui mestrado em Educação Científica e Tecnológica Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e especializações em Psicopedagogia (Faculdade Municipal de Palhoça), Ensino de Ciências (IFSC) e Metodologia do Ensino de Matemática (Uniasselvi). É professor de matemática em escolas públicas e privadas desde 2011.     Contato: djeison@outlook.com


COMO REFERENCIAR ESTA POSTAGEM:

MACHADO, Djeison. As tecnologias digitais e o ensino em tempos de pandemia. Contornos - Educação e Pesquisa, Florianópolis, 2020. Disponível em: <http://www.contornospesquisa.org/2020/12/as-tecnologias-digitais-e-o-ensino-em.html>. Acesso em: dia/mês/ano.   

26 outubro 2020

Podcast na educação: o que é, dicas e como começar

 
Os podcasts já vinham se popularizando nos últimos anos, e com o contexto de pandemia, distanciamento social e aulas remotas, sua utilização tornou-se uma alternativa interessante para a educação. Esse recurso tem sido bastante utilizado por professores, tanto como forma de se aproximar de seus estudantes quanto para sua própria formação.
 
O que é um podcast? Trata-se de um meio de publicação de arquivos de mídia (áudio) em agregadores diversos (Apple, Google, Spotify, Deezer, Pocket, entre outros ou até mesmo em um site próprio). É muito comparado ao rádio, por ser uma mídia sonora, porém, apresenta algumas diferenças. O podcast é um conteúdo “on demand”, ou seja, tocado sob demanda do usuário. Não há uma programação diária, o arquivo é postado e cada um ouve quando e quantas vezes quiser. Também é um conteúdo fácil de compartilhar por meio de links. Existem programas curtos, de até 10 minutos, outros com cerca de uma hora e até com várias horas de duração, que o usuário pode ouvir em partes.
 
Atualmente, com a maior facilidade de produzir e distribuir, passou-se a observar como esse poderia ser mais um recurso didático para o contexto de ensino remoto emergencial, ensino híbrido ou mesmo em aulas totalmente presenciais.
 
O formato possui diversos potenciais, como suscitar o interesse do educandos com uma forma diferente de entrar em contato com o conteúdo, diversificação dos espaços de aprendizagem, contribuição para os diferentes ritmos de aprendizagem (já que se pode ouvir de forma acelerada, pausada ou re-ouvir várias), acessibilidade para estudantes com deficiência visual ou dificuldades de leitura e, quando os estudantes também produzem os programas, há uma intensa mobilização sócio-discursiva, pois é necessária uma organização do discurso por parte do estudante.
 
Quanto aos desafios, um dos principais se refere à possibilidade de conexão para download ou ouvir os áudios em streaming. Para muitos estudantes, esse ainda é um entrave significativo. Outro desafio é a sustentabilidade do projeto por parte dos professores. Um podcast, assim como qualquer projeto, precisa de planejamento, objetivo e roteiro claros, o que demanda muita preparação e disposição. Uma dica para superar esse desafio é formar parcerias, trazer convidados/as, ter um grupo de apoio e dividir tarefas. Outra dica é que os podcasts se organizam por temporadas, você pode criar uma temporada com um número limitado de episódios os quais você se compromete em produzir (por exemplo uma temporada de 4 episódios) e depois vê a viabilidade de realizar outras temporadas.

Algumas dicas de podcasts para estudantes e professores*

  • BBC Learning English
  • Café da Manhã
  • Fronteiras da Ciência
  • Fronteiras Invisíveis do Futebol
  • História No Cast
  • História Preta
  • Mira na Língua Portuguesa
  • Nerdcast
  • Ponto de Virada
  • Prato cheio
  • Quadro Negro
  • Teaching in Critical Times
  • Trip com Ciência
  • Xadrez Verbal

*Dicas de estudantes e colegas por meio de enquete em maio de 2020 - envie suas sugestões nos comentários. :) 

Destaco também duas iniciativas (entre tantas maravilhosas) de professores da educação básica:


Como começar a produzir um podcast? Para as minhas aulas no Ensino Médio em 2020, utilizei a plataforma Anchor (https://anchor.fm) para produzir aulas em áudio para os estudantes. Trata-se de uma plataforma gratuita e bastante intuitiva, é possível produzir programas por meio do celular. 

Para saber mais como funciona essa ferramenta, recomendo o curso (que foi a principal referência para este texto) "Podcast na educação: da ideia à publicação" realizado pelo EDUMÍDIA - UFSC para a Semana de Ensino, Pesquisa, Extensão e Inovação da UFSC (SEPEX).

O curso está disponível no YouTube:

 
 
 

COMO REFERENCIAR ESTA POSTAGEM:

PEREIRA, Vanessa Souza. Podcast na educação: o que é, dicas e como começar. Contornos - Educação e Pesquisa, Florianópolis, 2020. Disponível em: <http://www.contornospesquisa.org/2020/10/podcast-na-educacao.html>. Acesso em: dia/mês/ano.