Contornos - Educação e Pesquisa: Bibliotecas digitais coíbem o plágio acadêmico

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Bibliotecas digitais coíbem o plágio acadêmico

A professora Débora Diniz falou sobre o plágio na produção científica durante o segundo dia de seminário da Comissão de Ética da UnB
Francisco Brasileiro - Da Secretaria de Comunicação da UnB
UnB Agência


As bibliotecas digitais dificultam o trabalho de plagiadores de artigos científicos. A afirmação é da professora Débora Diniz, do Departamento de Serviço Social da Universidade de Brasília. “Atualmente, um plagiador que publica um artigo copiado com certeza será descoberto”, disse a especialista, que é editora de periódicos internacionais. Débora falou no segundo dia do seminário da Comissão de Ética da Universidade de Brasília.

Para a professora, existem dois tipos de plagiadores: os ingênuos, formados na maioria das vezes por estudantes, e os experientes. “Estes são os que causam mais prejuízos, porque afetam a comunicação científica”, afirma. “Os primeiros merecem no máximo um puxão de orelha ou uma reprovação. A pergunta é o que fazer a respeito do plágio e do plagiador experiente”.

Débora explicou que os grandes periódicos já usam softwares capazes de detectar plágios sofisticados. “Os programas são capazes de detectar inclusive quando a ordem das palavras foi trocada na cópia”. A professora explica, contudo, que algumas vezes essa barreira consegue ser burlada. “O plagiador em cinco horas escreve um texto já de forma a evitar esses caça-plágios”, conta a professora.

As bibliotecas digitais de acesso livre de periódicos, como é o caso do sistema Scielo, adotado no Brasil, é outro avanço da tecnologia diminui ainda mais a possibilidade que o plágio passe despercebido. “O recurso permite a ampla circulação dos artigos e checagem da comunidade científica”, afirma. “Não acreditem em teorias conspiratórias de que o plágio tem crescido”.




DIREITOS AUTORAIS – A professora frisou que o plágio em si não é crime. “Só se torna crime quando infringe direitos autorais”, afirma. “Uma cópia de uma obra de domínio público é um caso como esse. Não é crime, mas é infração ética”. Débora defendeu, contudo, que a própria comunidade científica pode, nos casos em que a lei prevê punição, aplicar sanções. “O controle está nas mãos de pesquisadores e editores que devem impor vergonha aos plagiadores”. Uma das punições sugeridas por ela é o embargo à publicação em revistas da área.

Segundo a professora, uma das maiores controvérsias é a dificuldade de determinar se houve intencionalidade no plágio. “Apenas quando houve intenção é que a cópia pode ser considerada plágio”, explica.  “O problema é que todos alegam esquecimento ou descuido do coautor”. Para ela, no entanto, não é difícil detectar quando o plágio acontece conscientemente ou por acidente. “Isso pode ser feito a partir da extensão do texto. É impossível não haver intencionalidade quando se fala de dois parágrafos ou mesmo um artigo inteiro”.

O professor Isaac Roitman, aposentado pela UnB e conselheiro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), defendeu que a questão de plágio tem uma raiz mais profunda. “A postura ética vem dos primeiros anos de escola”, frisou. Para o professor, o próprio sistema educacional deveria ser repensado desde a base para que posturas antiéticas não se propagassem nos cursos universitários e na Academia.

“Eu estou convencido de que é preciso mudar radicalmente os primeiros anos de escolaridade”, afirma. Isaac acredita que o caminho é que os professores desses níveis façam mais do que administrar o aprendizado: estimular a paixão dos alunos. “Assim eles ficarão menos preocupados em copiar, porque estarão envolvidos naquilo que gostam”.

Marcel Bursztyn, membro da Comissão de Ética destacou também a importância da educação também no meio acadêmico para evitar o plágio. “Em minhas oficinas sobre escrita científica, sempre falo que o artigo perfeito é o exato oposto do crime perfeito: deve mostrar todos os vestígios de como foi feito a partir das citações”, defende. “E é justamente com as citações e o respeito à autoria que isso é alcançado”.

Fonte: UnB Agência

Nenhum comentário:

Postar um comentário